segunda-feira, abril 03, 2017

Tudo na mesma , apesar do Xoistrema

Tudo na mesma graças um antigo herói benfiquista e um actual, Xistra.

Foi também uma pena aquele Ederson sair-se na perfeição a uma desmarcação de perfeita do nosso Tqiuinho (aos 60’) e deter um tiro de Brahimi (aos 65’).

sábado, abril 01, 2017

Tudo dependente do "efeito Soares"



Afastar o rótulo de decisivo é tão perigo como pensar que se ganharmos “já está”. Lembro o que nos espera: Sp. Braga, Marítimo e Desp. Chaves, todos fora. E para Benfica: Sporting e Rio Ave (fora) e V. Guimarães (casa), mas é um facto que temos de forçar a ultrapassagem.

Infelizmente, não há más notícias para o adversário. Tem o miolo reequilibrado, pelo que a única dúvida é a ala esquerda: Zivkovic, Cervi ou até Rafa, aposta frente ao Sporting? Danilo, Óliver e André André (que limpou a folha disciplinar na última ronda), confere-nos a possibilidade de alternar entre o 4x4x2 (juntando Soares e André Silva no eixo do ataque) e o 4x3x3 (fazendo o avançado português descair para a ala direita, enquanto Brahimi ocupa o lado oposto).

Muito mais importante para nós do que para eles, este jogo vale tudo. Nós somos mais ofensivos, mas menos eficazes. Por isso o título de que vai depender "o título". Esperemos que hoje se faça o fazer sentir o “efeito Soares”.


AUSÊNCIAS:
BENFICA: Jardel e Jiménez lesionados; Lisandro, Grimaldo e Fejsa convocados sob reserva; André Horta de fora por opção.
FC PORTO: Layún, Depoitre e João Carlos Teixeira não foram convocados para a partida.

segunda-feira, março 20, 2017

A euforia precoce paga-se muito caro (assim como a inocência...)


A euforia precoce paga-se muito caro e devíamos ter estado preparados para tudo, para o antijogo e para a continuação da não marcação de grandes penalidades a nosso favor (ontem foram só três). Mas esta equipa técnica, tal como a equipa de futebol, tem muitas falhas, muitas e, claro, não estava.

Couceiro é um vaidosão (ou será vaidoCÃO?) que só se interessa por jogos com os "grandes", tendo vindo ao Dragão fazer o seu número habitual de antijogo sem que alguém ousasse apontar-lhe o dedo (algum dos três substituídos não simulou lesão antes de sair? quantos minutos os médicos do Setúbal estiveram am campo?). E não devíamos ter antecipado que o guarda-redes Bruno Varela, emprestado pelo Benfica, iria queixar-se desde o primeiro minuto, ora da mão, ora do pé, ora da era perna, ora do dedo mindinho? Um capitão de equipa tem de estar sempre perto do árbitro para o obrigar a fazer cumprir a lei e para este o sentir bem junto à... carótida. Ter um defesa central como capitão, lá atrás, que não se chame Jorge Costa, enfim...

Com método trapalhão, a equipa foi esforçada e Óliver marcou enquanto pôde o jogo do Porto, criando oportunidades suficientes para o decidir (outra lição ao NES - não se prescinde deste jogador, nem contra os colossos europeus). Só que se exigia eficácia aos avançados. Ontem, esta não existiu. Mas, pronto. A verdade é que nada mudou. Não aproveitámos a dádiva da jornada, mas está tudo como na anterior, tudo igual: temos de ir à Luz ganhar e seguir assim mais sete jornadas. 

segunda-feira, fevereiro 27, 2017

Assim, sim, SOMOS PORTO!


Foi uma excelente vitória, como eu gosto, "à antiga": contra tudo e contra todos. Um grande, grande jogo até porque foi notável o Boavista terminá-lo sem nenhum jogador expulso.

Acho, também, que o árbitro esteve bem e merece ir festejar, um dia, o campeonato com a equipa do seu coração; recordo: Talocha, sem a bola num raio de 5 metros e frente ao fiscal de linha, acerta por azar no tornozelo do Corona aos 42´m. Maxi sofre um penálti e leva mal o primeiro amarelo, acabando expulso com o segundo amarelo bem. E ainda há uma belissima entrada sobre Marcano e um penálti por marcar sobre Soares. Deixo-vos as provas, mas estou muito contente de ter visto um Porto assim. Contra tudo e contra todos. Assim, SOMOS PORTO!

sexta-feira, fevereiro 24, 2017

Focados exclusivamente no Nacional, é o novo lema, repito, é o novo lema.



Eu sei que ainda faltam dois dias, mas vamos lá pensar no Boavista e esquecer essa tal de Juve que por acaso é pentacampeã italiana, futura hexa e tem dois jogadores que pagam toda a nossa equipa (Pjanic e Higuaín). Vamos lá pensar nos 9 pontos que têm que ser feitos contra Boavista, Nacional e Arouca. Focados exclusivamente no Nacional. É o novo lema.

No Bessa espera-se a manutenção daquilo que mais nos tem identificado, solidez defensiva (repararam que contra a Juve nem com 10 houve descompensação neste sector?), mas também um Brahimi mais desequilibrador em zonas de decisão (não cá trás), todos os jogadores com o espírito do Herrera (com o pé naquele estado nem água pediu!) e um... Óliver.

Por amor de NES, ponham o Porto com fio de jogo do meio-campo para a frente, com capacidade para imaginar uma jogada que desmonte uma organização defensiva. Sim, eu sei que às vezes jogar para o 0x0 é a única solução e em Turim podia haver uma surpresa num contra-ataque, mas isso agora não interessa nada, não só pelo preço que ele nos custou, mas porque a melhor versão do Porto é com o Óliver. Focados exclusivamente no Nacional. É o novo lema, é o novo lema.

quarta-feira, fevereiro 22, 2017

O HORROR explicado em três pontos:

1- Alex Telles: 7 passes errados, 8 perdas de posse, 3 faltas, expulsão.
2- Brahimi: muita entrega e pouca parra. Recuperou a bola 5 vezes, ganhou 6 dos 16 duelos, mas sempre em zonas inofensivas.
3- FCP: 23,4% de posse de bola, 3 remates à baliza, todos para fora.

segunda-feira, fevereiro 20, 2017

Historinhas de embalar de um azeiteiro mister ou como sobra tudo para nós...



Deixem-me contar uma história. Uma vez fui a um bar e houve uma rapariga que me chamou a atenção. Bebemos uns copos, conversámos e rimos muito, foi um fartote até às 04h00, depois...bem, deixemo-nos de tretas "azeiteiras". Lá teremos nós de ir apagar a Luz...

No andebol, nada está perdido



A nossa equipa de andebol voltou a perder na Taça EHF, desta vez na receção aos poderosos alemães do Göppingen, os atuais detentores do troféu, por 31-27 (Alexis Borges, com seis golos, foi o melhor marcador). No entanto, o segundo lugar ainda é possível. A dupla jornada com os espanhóis do Granollers será determinante.

No basquetebol, tudo bem


A uma jornada do fim, a nossa equipa de basquetebol garantiu ontem o primeiro lugar da fase regular da Liga portuguesa, ao vencer por 81-67 no pavilhão do Illiabum. Sasa Borovnjak (17 pontos e seis ressaltos), Thomas Bropleh (15 pontos, sete ressaltos e cinco assistências), José Silva (15 pontos) e Nick Washburn (dez pontos e seis ressaltos) estiveram em destaque.

sábado, fevereiro 18, 2017

O Tondela merecia melhor



Na era da pós-verdade e dos factos alternativos temos que ir avançando. O vídeo divulgado pelo 'JN' onde se vê Osorio a puxou o nosso Tiquinho ajuda muito. Adiante, adiante...

quinta-feira, fevereiro 16, 2017

Pontos! São pontos o que temos de roubar!



Foi um bom jogo em Guimarães, assente sempre na teimosia de chegar à baliza pela via mais direta (e resultou). Agora temos outras preocupações. Temos de dar 20 milhões pelo Oliver, numa inflação que eu diria de cerca de 100% relativamente ao seu real valor..., e temos de estar muito concentrados para as próximas deslocações: Chaves, Braga, Marítimo e Luz. 

Era por isso escusado o líder da nossa claque se ter preocupado em "comprar" um microfone exactamente igual ao que ontem, alegados elementos da sua claque, furtaram à equipa de reportagem do CM que, também alegadamente, incomodava "o chefe". Repito: temos muitas deslocações importantes e tantos pontos para "roubar" aos adversários que roubar um microfone até pode confundir os sócios e desfocar os jogadores do alvo que interessa mesmo. Recentrem-nos! 

quinta-feira, fevereiro 09, 2017

Rapazes épicos!



O FCP não é só futebol (e ciclismo, pronto...) e aqui está a prova: a nossa equipa de andebol é extraordinária e ontem à noite chegou às 30 vitórias em 30 jogos na época, depois de vencer, em Alvalade, o Sporting por 27-26. Foi uma vitória épica. Estávamos a perder por 26-19 a pouco mais de dez minutos do final. Isto sim, isto é PORTO.

terça-feira, fevereiro 07, 2017

Soares vem disfarçar, calma!


Se houvesse justiça no futebol, também teríamos ganho ao Benfica. Jogámos bem na primeira parte, mal na segunda, mas dois detalhes resolveram no sábado: Casillas salvou tudo e Soares impressionou pela eficácia (contei-lhe três remates e marcou dois golos). Mas este jogo merece outra reflexão.

Tinha escrito aqui que o problema do Porto era o jogo corrido. Dois extremos criativos e dois avançados pode ser uma boa solução para começar o jogo mais à frente. Foi pena Brahimi ter estado muito "perro", pois esta solução pode vir a dar alegrias e motivos de muitas preocupações aos adversários. Só que não pode acontecer o que aconteceu no sábado: não houve jogo a meio...corrido. Foi o Danilo que, com um passe rasgado, resolveu o encontro dado o 2-0 ao Soares, mas o Torres nunca consegui servir os avançados para zonas de finalização e o Sporting entrou demasiadas vezes na nossa grande área e surpreendentemente a cruzar com muito à vontade. Vi o Danilo a coxear toda a segunda parte. Pode ter estado ali o problema, mas se assim foi quer dizer que nem um Palhinha temos para o substituir?

NB- E por falar no Palhinha... uma última palavra para os que agora se atiram a Jorge Jesus pedindo para que nunca treine o nosso clube pelo tratamento que deu ao trinco que escolheu para o jogo. Não sei se esses mesmo adeptos se apercebem do tratamento que dão ao (esforçado) Herrera e se viram como apenas com o recuo de Ruiz o JJ quase virava o resultado...com aquele plantel. Pensem nisso, pensem nisso.

quarta-feira, janeiro 25, 2017

Senhores, o nosso problema é o jogo corrido!




A saída de Varela para o Kayserispor, depois de 6 épocas e meia, sem um sinal de agradecimento ao jogador é muito triste.

Já o mesmo não se dirá do novo empréstimo de Adrián López ao Villarreal.
Aqui o silêncio é de ouro...

Sobre a entrada do avançado Soares por 6 milhões (80%) - é o que se fala, pois o número não é oficial - e que assina por quatro anos, dir-se-á que é um mistério a não ser que o NES ache que o problema do Porto é só pontaria. Enfim!...

Dispensamos o Evandro, menos um no meio-campo onde é preciso reforçar com "força" e "inteligência", e o que é que acontece? A novela Assis que termina pelo comportamento da pessoa "por quem se fez acompanhar".

Senhores, o nosso problema é o jogo corrido. Isso e manha para saber gerir vantagens, por exemplo. Têm cinco dias para abrir a pestana, porra!

quarta-feira, janeiro 18, 2017

Está tudo na mesma, não se excitem!



Ganhámos, encurtámos a distância para o primeiro e aumentámos para o segundo, mas o que é importante não mudou: a nossa inteligência de jogo.

Se vos derem ao trabalho de contar as oportunidades de golo, elas não deverão ter variado muito, por exemplo, das do último jogo onde não ganhámos. Só que o problema não está aí. Está na imaturidade desta equipa e na falta de qualidade do seu treinador, temo ter de vos revelar. 

Então, contra dez o jogo é o mesmo? Não se abre? Não se encosta à linha? Não se forçam mudanças de flanco? Com o jogo aberto, não entram jogadores do meio-campo, fulgurantemente, pelas linhas interiores para finalizar? O quê? Ai temos é de continuar a carregar com lançamentos longos e sempre à procura do ponta de lança que tem lá, juntinho a ele, dois centrais?

Espero que tenham percebido porque é que com equipas boas não vamos lá das canetas. Não basta ter o grupo na mão, é preciso tê-lo também numa boa cabeça.

domingo, janeiro 15, 2017

Um desiludido que já só pede o segundo lugar


Aquele golo do Rui Pedro marcado ao SC Braga ainda me animou, mas já percebi que foi "fogo de vista". De então para cá, o que se tem passado não sido culpa da arbitragem, mas culpa própria; ineficácia, falta de capacidade de resposta ao jogo e falta de equipa. Sou novo de mais (46 anos) para me lembrar de coisa assim.

Hoje é para ganhar, sim, mas porque o Sporting empatou. É importante cavar-lhe um fosso de 4 pontos a poucas semanas de virem ao Dragão… Desiludam-se, mesmo com o "colinho" ao Benfica, não estamos em posição de reclamar mais do que um muito generoso lugar de acesso à Champions.

O nosso treinador de "lugares comuns" (diz que não temos mais espaço para errar  e que a equipa está muito motivada, etc), deverá repetir o “onze” que alinhou na malfadada última jornada, em Paços de Ferreira. Temos três lesionados (Rúben Neves, Layún e Otávio) e Brahimi ao serviço da selecção argelina, pelo que talvez Diogo Jota descaia para a esquerda do ataque e o meio-campo seja entregue a Danilo, Herrera e Óliver. Mas mesmo que joguem outros e de outra maneira, eh pá, não voltem MESMO a falhar, ok?

quarta-feira, dezembro 21, 2016

FELIZ NATAL e um EXCELENTE 2017 !


Terminámos o ano com a quinta vitória consecutiva, com o objetivo Champions cumprido, com um novo ponta de lança (Rui Pedro), um outro recuperado (Depoitre), um "novo" Brahimi (depois da péssima gestão) e, quem diria, ainda estamos na luta pelo título. Contas feitas, só a Taça de Portugal é que foi à vida.

Com tanta boa notícia, até dá para "esquecer" as negociatas do nosso clube que a Mediapart andou a investigar. No entanto, nada de preocupações, pois o nosso presidente já disse que offshores não é connosco

Desde aquele remate de Rui Pedro as coisas dificilmente poderiam ter corrido melhor e até deu para vos congelar o momento em que, no Dragão, ao fim de cinco vitórias seguidas, o Depoitre deseja a todos um FELIZ NATAL e um EXCELENTE 2017!

sábado, dezembro 17, 2016

E no advento, ele falou...



O nosso presidente falou ao JN Direto (o novo projecto vídeo do Jornal de Notícias) desde o filho ao Football Leaks. E até nem havia necessidade.... Porém, esta quadra é de homens de boa vontade: lê-de, pelo menos, o resumo. Há aqui algumas rosas...:-)))


Relação ética com o filho Alexandre
“Não me interessa se o empresário é meu filho, primo, genro, amigo ou inimigo.Se o negócio for bom para o FCP, eu faço-o. O que me interessa é negócios com lisura e bons para o FCP.

O Rui Pedro só está no FC Porto em virtude da empresa onde Alexandre Pinto da Costa era sócio. O jogador, aos 14 anos, queria um emprego para o pai, que é uma pessoa séria e que estava à procura de trabalho. Ele não queria dinheiro, queria trabalho. Essa era condição para continuar no clube. O Alexandre falou-me nisso e falei com o meu amigo Américo Amorim, que está ligado ao negócio das cortiças. O problema ficou resolvido e hoje ele joga na equipa principal. Agora eu pergunto: devia ter deixado o Rui Pedro ir embora só porque o Alexandre é meu filho? Só na cabeça de um maluco”

Football Leaks: as comissões de Alexandre Pinto da Costa
“Não estou a acompanhar. Ouço e vejo na televisão umas coisas, vi uma notícia de que o Oblak tinha custado uns milhões. Tenho mais com que me preocupar, há instituições que devem cuidar disso. Alexandre Pinto da Costa recebeu uma dupla comissão? Se recebeu, não foi do FC Porto. O Rolando era um peso morto que ninguém queria no clube. Não conseguiam colocá-lo. A empresa de que o Alexandre era sócio colocou o Rolando. Além de o FC Porto ter deixado de pagar um milhão de euros de salário, ainda recebeu mais um milhão. Se ele recebeu de outros, não me interessa nada. Era um jogador que estava a mais.

Eu estou vaidoso porque o meu filho é muito importante. Faz capa no Expresso porque alegadamente recebeu duas comissões. Há milhares de documentos e milhões de euros, dos Oblaks, Ronaldo, Mourinho e Jorge Mendes, e a notícia é essa. É ridículo."

O negócio com a Meo
“A proposta da Meo tinha de ser aceite ou recusada no momento. Era muito melhor e até superior aos 400 milhões e dissemos sim senhor. Chamámos os advogados, agora o problema era deles. Depois, à noite, é que houve uma tentativa do Joaquim Oliveira cobrir qualquer proposta. Isso é querer ganhar o jogo depois de ele ter terminado, isso não é sério. A partir daí iniciou-se uma guerra, quando nós só trocámos porque fomos obrigados a trocar. Cheguei a uma conclusão: se me pagavam 19 milhões e me davam depois 39 e depois cobriam qualquer oferta, andei a ser vigarizado durante muitos anos".

A zanga com Joaquim Oliveira
“[As relações com Joaquim Oliveira] nem esfriaram nem deixaram de esfriar. Tinha combinado com ele irmos jantar ao Altis na véspera de um jogo do FC Porto com o Sporting, e ainda hoje estou à espera. Tive de me vir embora, ele deixou de aparecer e deixou de me falar.”

“Se tudo correr dentro da normalidade, o FC Porto será campeão"
"Acho que é notório que [o FC Porto] já se reergueu. Quando eu disse essa frase, 'bateu no fundo', não queria dizer propriamente isso. Para nós, bater no fundo é estar fora do topo. Naturalmente que, depois de tudo o que aconteceu nas primeiras jornadas, com a eliminação do FC Porto da Taça, estar em segundo lugar, que não é o que queremos, e estar na 'Champions', tenho de considerar que estamos muito mais perto do topo. Quando há outros que estão em grandes momentos e não estão em provas europeias, o que podemos dizer de nós? Não estamos em primeiro por factores extra-futebol”

Brahimi
"O Brahimi teve de se adaptar à forma de jogar do treinador. A partir do momento em que se integrou, tornou-se num jogador válido”

Contratação de Nuno Espírito Santo
“Jorge Mendes não teve nada a ver com a vinda do Nuno. Lopetegui sim, foi indicação do Jorge Mendes. Com o Nuno falei pessoalmente e só depois de termos apertado a mão ele comunicou ao Jorge Mendes. Aliás, estava marcado um encontro para Nuno ouvir uma proposta de um clube inglês, mas ele disse que se fechasse com o FC Porto já não queria mais nada.”

“Juventus não teve sorte”
"Quando esta equipa não tinha a experiência que tem hoje e saiu a Roma [pré-eliminatória da 'Champions'], eu disse: 'coitada da Roma'. Na altura, todos se riram. Nós fomos lá e vencemos por 3-0. A Juventus não teve sorte no sorteio [dos oitavos-de-final da Liga dos Campeões]”

quarta-feira, dezembro 07, 2016

“À Madjer” e com mais 7 milhões no bolso




Sim, a goleada com números ímpares é mais fraca do que a com números pares, sim, foi contra um Leicester desfigurado, mas no caminho facturamos sete milhões de euros e estamos onde queremos.

Corona, simplificou tudo e está um senhor desequilibrador. Brahimi, ainda guloso, mas já mais inspirado em Madjer, “matou” o jogo. André Silva, o nosso goleador-recuperador, nunca perdoou. Diogo Jota começa a percebeu melhor a equipa, muito bem nas movimentações e Herrera quase, quase fazia as pazes com o “tribunal” do Dragão.

Os problemas e as lacunas estão a ser disfarçados mas há algo que está a mudar muito nesta equipa: estamos com uma consistência defensiva que serve de "mola" aos nossos atacantes. E isso, sempre foi a nossa força. Algo sério está a acontecer a esta equipa que, reforçada com experiência em Janeiro, ainda pode dar alguma coisa.

Fechada a fase de grupos, o sorteio agendado para a próxima segunda-feira vai comportar apenas dois condicionalismos. Não poderão defrontar-se, nos oitavos-de-final da Liga dos Campeões, equipas que mediram forças na fase de grupos nem clubes do mesmo país. Afastada fica, assim, a possibilidade de um embate entre Real Madrid e Barcelona, por exemplo, ou entre Bayern Munique e Borussia Dortmund. Espanha surge, de resto, nesta fase como o país mais representado, com quatro equipas.

No que diz respeito aos portugueses, para o Benfica, teoricamente surgirão o Leicester e o Mónaco como adversários mais convidativos, enquanto o FC Porto terá também na equipa francesa, orientada por Leonardo Jardim, e no Nápoles os rivais com grau de dificuldade aparentemente um pouco menos elevado.

Primeiros classificados (cabeças de série)
Arsenal (Inglaterra)
Nápoles (Itália)
Barcelona (Espanha)
Atlético Madrid (Espanha)
Mónaco (França)
Leicester City (Inglaterra)
Borussia Dortmund (Alemanha)
Juventus (Itália)

Segundos classificados (não cabeças de série)
Real Madrid (Espanha)
Paris Saint-Germain (França)
Benfica (Portugal)
Manchester City (Inglaterra)
Bayern Munique (Alemanha)
Bayer Leverkusen (Alemanha)
FC Porto (Portugal)
Sevilha (Espanha)

segunda-feira, dezembro 05, 2016

E se o jogo acabasse aos 94?


Nada mudou. Até a mala pata continua igual. O Marafona não é tão bom, nem tão enorme como se mostrou. Mais um azar, pois. E mesmo no nosso jogo, tudo igual. Sem qualquer baixa, NES trocou Layún por Alex Telles, mas manteve o desenho (à falta de melhor termo) habitual, bem como o nosso problema: dominamos e criamos oportunidades flagrantes, mas no momento decisivo lá vem sempre ela, a inépcia.

E isto tudo só foi diferente porque o jogo chegou ao minuto 95´e aí, Rui Pedro, assumiu o papel de herói, encostou Depoitre para sempre (ou, pelo menos, por uns bons tempo) e fez-nos acreditar que na formação mais jovem andam a trabalhar bem alguma coisa: os noves. 

Agora, um fraco Leicester e um medíocre guarda-redes adversário vinham mesmo a calhar para ver se isto se equilibra.

NB: Este Maxi não é Dragão de Ouro Eterno porquê mesmo?